Não tem como expressar
As coisas do coração
Palavras não conseguem decifrar
Os sentimentos dessa imensidão

Quem sente no mais profundo
Consegue reconhecer
Esquadrinha e vai a fundo
Espelho a resplandecer

As almas sentem o leve toque
Suave como orvalho no amanhecer
Mas no peito parece um choque
Adrenalina no ventre a correr

Sensação de completude
Aconchego no próprio ninho
Paciência é uma virtude
Para livrar-se dos espinhos

Uma viagem abissal
É trilhada em cada interno
Vereda tão radical
Aventura do lado inverso

Longe dos olhos humanos
Mergulho nas profundezas
Metamorfoseando por entre os planos
Em busca da minha destreza

Tem horas que o coração aperta
Momento de respirar
Continua em linha reta
Novo ser a se moldar

Não tem como expressar
As coisas do coração
Palavras não conseguem decifrar
Os sentimentos dessa imensidão

Por Michele Mi
Tema sugerido por: Maria Lúcia – Martins/RN