Obsessão e ganância
Uma alma atormentada
Ficou para trás a pureza de criança
Consciência voraz

Nela não há mansidão
Deseja o que é de outrem
A inveja subiu ao coração
Não se contenta com o que tem

Desdenha do necessário
E almeja no extremo o que é pó
Não cuida de seu relicário
Mas em seu leito chora só

Olhos famintos
Inquietos, opressor
Manipulados pelos instintos
Expressão de puro rancor

A cobiça subiu a cabeça
Desconhece o verdadeiro amor
Uma enganosa crença
Peito governado pelo angustiador

Almas tão perdidas
Sem rumo e direção
Não encontram a porta de saída
Instalada no coração

O tempo passa ligeiro
E no ventre a fome cresce
Desprezaram o bom conselheiro
E o divino no imo padece

Olhos famintos
Inquietos, opressor
Manipulados pelos instintos
Expressão de puro rancor

Por Michele Mi
Tema sugerido por: Márcia Rocher – Apucarana/PR