Como a pena nas mãos do escritor
E a caneta usada pelo poeta
Que minha voz ecoe o amor
Soando a vida por toda esfera

Instrumento de justiça
Que leva a paz aos corações
Plantando a semente do bem
Para brotar a compreensão

Quero ser usado
Frase fácil de falar
Mas depende de cada um
A sua parte praticar

Confiar na mão do celeste
É um detalhe fundamental
A beleza viva do cipestre
Também é obra do divinal

Esta vida é um ciclo
Mas não gira em torno do nosso umbigo
Devemos deixar o egoísmo
E colorir nosso destino

Pintando a nossa tela
Com os mais lindos tons
Consciência que reverbera
A sabedoria e seu suave som

Dignificar nossa alma
É um trabalho artesanal
Que requer paciência e calma
Totalmente individual

A alma deve ser pura
E se entregar de verdade
Buscar sua própria cura
E almejar a liberdade

Por Michele Mi 
Tema: Loir Xavier – Campo Grande/MS