Sons ou estrondos que incomodam
Mas como pode a vida nos importunar?
Talvez se escutássemos com o coração
Poderíamos o entendimento alcançar

Ela está sempre presente
Nos acenando com sua mão
Mas quem de fato a compreende
E enxerga sua dimensão?

Uma linguagem erudita
Extraída do divinal
Essência da sabedoria
Puro leite racional

Mas a sintonia das almas
Estão em outra estação
E os sons que geram paz e calma
Ocasionam irritação

Mas a consciência singela
Sensível e perspicaz
Discerne a obra da tela
Reconhece o que lhe apraz

Se encanta com a simplicidade
E sente no profundo os ensinamentos
Detecta o tom da liberdade
Na harmonia tocada pelo vento

Os pássaros se empolgam
Adornando a poesia
Na face as lágrimas salgam
Lembranças que o peito esfria

A verdade por vezes incomoda
Será isto o ruído da vida?
Mas só ela o ventre transforma
Tornando a noite em dia

Por Michele Mi
Tema sugerido por: Eliézer Rogério – Jaraguá do Sul/SC