As almas vivem mais de sonhos
Do que a própria realidade
E quando acordam estão tão longe
De alcança-los de verdade

Não precisam nem dormir
Para viajarem na imaginação
Fantasiam o porvir
Motivo de tanta frustração

Precisamos ser sóbrios
Ter os pés firmes na razão
Esquecer o passado e o opróbrio
Virar a página, curar a visão

O tempo está passando
E a ampulheta não para
Se para trás ficar olhando
Não conseguirá se libertar

O presente é que temos que viver
E o agora ser o ponto de partida
Nossa alma fortalecer
E descobrir a incógnita da vida

O que passou não mais será
E é preciso derrubar os medos
O antigo jamais retornará
Olhar à frente é o segredo

Colheremos aquilo que plantarmos
De hoje em diante é o que importa
O que fizemos não há como mudarmos
Deixe a sabedoria adentrar sua porta

Faça apenas sua parte
Que a vida agirá naturalmente
Mudar o interno é uma grande arte
Asas bordadas da nossa mente

Por Michele Mi 
Tema sugerido por Márcia Rocher – Apucarana/PR