Quando indagamos uma consciência sobre o que seria o propósito de Deus em seu ponto de vista vemos distorções e erros grotescos de entendimento. Mas nada que cause tamanho espanto, pois sabemos e testificamos da ignorância e do torpor carnal em que se encontram. Obviamente que em nós arde a chama da palavra e logo falamos do que transborda em nossos corações, indo totalmente contra a idéia que as consciências têm e acreditam do que seja esse propósito, ficam confusas, olhos esbugalhados, atônitos e acabam na recusa em raciocinar e chegar ao entendimento porque estão confortavelmente acomodadas no que vivem, e o propósito apresentado não concerne com suas práticas e requer das mesmas muito além de um simples abrir e professar de lábios. Requer escolhas e decisões, renuncia e prática. Porém escolhem ofender e afastam-se como se tivéssemos doença contagiosa e que cause perigo de morte, enquanto que pelo contrário temos a vida e esta em abundância.

Por Loir Xavier