Toda consciência constrói sua história ao longo de sua vivência nesse mundo. Faz parte dessa história e a constrói, todas as situações pelas quais passa, as quais diga-se de passagem, requerem um raciocínio frio e meticuloso para distinguir o que lhe fará bem e o que lhe causará algum dano. Entretanto, como são movidos pelos sentimentos, tais situações só são avaliadas depois de ocorridas e ou vividas, quando o dano já se concretizou. Assim também, é o comportamento das consciências em relação à vida eterna. Não se atentam para avaliar as consequências de um proceder fora de função, longe da presença de Deus, sem a conscientização e manifestação do Seu espírito, o senhor da vida. Isso, sem mencionar a ignorância em relação ao Seu real propósito e a realização do mesmo. Vê-se claramente que as consciências apenas vivem, esperando a morte chegar. Não distinguem o bem do mal e nem avaliam as consequências de um estado consciente que será eterno e irreversível.

Por Loir Xavier