“E formou o Senhor Deus o Homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida;”. “…e o verbo se fez carne” e habita em nós!

A frase descrita acima e que intitula esse texto, foi dita à Moisés por Deus, para que este a usasse como resposta às perguntas do povo, sobre a libertação dos mesmos do cativeiro, no qual encontravam-se no Egito.

A frase “Eu Sou enviou-me a vós “é a resposta de Deus para toda a humanidade, que permanece cativa, embora tenha a liberdade dentro de si, agindo a vida.

Deus, no ato da criação deu-nos a Sua porção, o Seu espírito, para que além da vida, esta fosse abundante e eterna. Contudo, é preciso lembrar que estamos dentro de um propósito e que este é composto por fases, que há um caminho à ser concluído que consiste em escolhas e realizações, até que cruzemos a ponte que nos separa Dele! Para tanto, foi dado a cada um de nós consciências, um anjo, um guia, aquele que deve ser o Senhor de nossas almas, que tem a finalidade de nos conduzir de volta aos braços do Pai, mas “Dele não fizeram caso”, pelo contrário é desprezado e trocado por falsas promessas, pela utopia de uma eternidade garantida  pelo sacrifício de outrem. Porém, é preciso que cada qual cumpra em sua consciência “o viver segundo a vontade Daquele que lhe enviou” e que faça-se com Ele a simetria perfeita, a junção inseparável!

É preciso vê-lo, conhecê-lo, entendê-lo, mas principalmente senti-lo, não só pela vida em nós que nos permite existir, mas como a nós mesmos, pois só seremos se com Ele estivermos.

O Eu Sou, enviou o Seu espírito mediante a vida, para que “todo aquele que Nele crer tenha a vida eterna!” Sabendo que “crer” não é apenas acreditar, mas realizar o Seu propósito estabelecido desde antes da fundação do mundo!

Quanto a mim, quiçá tivesse o dom de poetizar, pois contaria e contaria em prosas e versos, que Ele, o senhor, chegou como um farol iluminando toda a minha escuridão!

 

Por Loir Xavier