O rancor é mais uma das hastes que compõem a cela que encarcera as consciências. Ele se produz tanto da mentira quanto da verdade, porque ambas as condições o traz a tona. É, como todo sentimento carnal, algo que atormenta e aflige a alma. Tira o prazer, pois vai corroendo a cada lembrança e qualquer assunto é capaz de colocá-lo no centro, por que domina e predomina sobre a consciência, como se faz soberano, esta vai buscando munição, alimentando com isso seu poder de fogo. O rancor, surge facilmente ao proferirmos a palavra da verdade de Deus, a ponto de saírem faiscas nos olhos de quem as escuta e rapidinho transforma-se em ódio, pois a verdade tira as consciências da posição de acomodação em que se encontram. Toda consciência tem a predisposição de acomodação ao que lhe convém e mostrar a verdade de Deus, apontar seus erros e as consequências destes provoca rancor, desconforto, pois as tira da condição de salvos. Mas estamos dentro de um propósito e a salvação é para aqueles que o realizarem e para tal é necessário livrar-se da carne tornando-se consciência pura, sem ruga e sem mácula!

Por Loir Xavier