Deus ordenou aos Homens não adorar a ídolos, pois eles não podem o livrar da morte e precisam de velas para iluminá-los. Olhando para o nosso contexto, o Brasil é uma nação de consciências extremamente idólatras. Tudo que se destaca é motivo para ser colocado em um pedestal e adorar. É uma necessidade a beira do desespero por um milagre, por intercessões, por livramento do que é óbvio acontecerá e principalmente de buscar a qualquer custo alguém que pague o preço, ou melhor, que faça o sacrifício que a própria consciência deve executar em si ou que a livre de executá-lo e de pronto lhe dê a salvação. São promessas e mais promessas, pagas muitas vezes de maneiras escabrosas e todas inúteis, pois prostram-se diante de ilusões. A idolatria e a necessidade de um deus visível, palpável é tão forte e dominante que as consciências passam de largo do espírito, porção verdadeira de Deus que as vivifica.

Por Loir Xavier