Para tudo que vemos, ouvimos ou vamos fazer, temos que de alguma forma interpretarmos, para alcançar o entendimento e ou realizarmos o proposto, e para isso é preciso usar o raciocínio, inerente à toda consciência. Obviamente que para as atividades peculiares de nosso cotidiano, haverão várias formas de interpretação e consequente resolução. Contudo, no que se refere ao propósito de Deus e à Sua verdade, a interpretação deve ser conduzida pelo espírito santo de Deus e não a revelia de acordo com os interesses carnais escusos da consciência, para que se tenha o mesmo entendimento. Por isso vemos hoje tantas denominações e todas incitando as consciências a buscarem o tesouro de suas vidas do lado de fora, enquanto que se diz que este está “escondido em vasos de barro”, ou seja, no imo de cada um, pulsando a vida. Pegaram a direção errada por fiarem-se e guiarem-se em suas próprias interpretações e entendimento, afastando-se cada vez mais para longe de ver o reluzir do maior tesouro que a consciência pode herdar, escondido dentro delas mesmas, mas que não acham por não buscar, o espírito de Deus!

Por Loir Xavier