Você tem fome de quê?

Você tem sede de quê?

“Nem só de pão viverá o Homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus”.

Na culinária há delícias infindas e uma delas é o manjar, iguaria cujo qual não se sabe a origem certa, se portuguesa, alemã, holandesa, francesa, haja visto que dele há várias formas de feitio, conservando, porém, os ingredientes, faz parte dos banquetes reais desde a idade média e ao longo do tempo, popularizou-se. O que sabemos é que seja de onde for, adoça a boca, traz saciedade ao corpo e prazer ao paladar.

Curiosidades à parte, vamos ao ponto central e objetivo do texto, os manjares da alma ou para a alma!

É óbvio e claro a todos nós, a necessidade em alimentarmos o nosso corpo físico, a fim de obter sua sustentabilidade, força, vigor para desenvolvermos as atividades diárias, além do que, é prazeroso o ato de saborear as iguarias produzidas nesta Terra. Contudo é passageiro, como tudo relacionado ao corpo carnal, pois será escusado após a absorção dos nutrientes necessários para a sustentação do mesmo. Comer e beber são práticas diárias e necessárias ao Homem, mas vale lembrar que “nem só de pão viverá o Homem…”, entretanto bilhões privam-se do alimento para a vida eterna!

A expressão “manjares da alma”, que intitula esse pequeno texto, nos remete e direciona imediatamente as delícias vindas dos céus, do trono de Deus, presente em Sua palavra para saciar, nutrir, renovar, revigorar, possibilitar e dar crescimento, mudar, transformar, sustentar a nossa alma, a consciência! É uma iguaria, sem igual!!! Está posto à mesa para saciar a fome e a sede de todo ser vivente! Seus nutrientes, se absorvidos, permanecem para sempre! E assim como da ostra, que passando pelo processo surge de seu interior uma bela e valiosa pérola, nossa consciência será jóia do relicário de Deus!

 

Por Loir Xavier