O girassol é uma planta versátil da qual aproveita-se tudo, desde a raiz até as flores. Tem como característica girar completamente seu caule durante a noite em direção ao nascer do sol, acompanhando-o durante o dia, como os ponteiros de um relógio, a fim de receber dele a luz para um desenvolvimento adequado, daí a origem de seu nome. Cria raízes profundas, o solo precisa ser fértil, estar limpo, bem adubado e úmido para que cresça com eficácia, porém os ventos e tempestades podem lhes causar danos, mas são estes os cuidados básicos para que haja êxito quando de sua colheita, senão tudo perecerá. E como é prazeroso contemplar um lindo campo de girassóis, é de encher os olhos tamanha beleza!
Entretanto se usarmos de analogia e compararmos este campo com o mundo, onde as consciências seriam os girassóis, logo perde a beleza, haja visto a situação que se encontra. Tal qual o girassol que ao atingir a maturidade para de girar seu caule, deixa de acompanhar o sol e se acomoda até morrer, são também as consciências que ao crescerem não manifestam o espírito da vida nelas. Voltam-se apenas para a direção em que está o que lhes tirará a vida infinda e ainda nisto sentem prazer. Murchou o girassol! Mas não foi por falta de luz e sim por não realizar o movimento em direção da mesma, tão peculiar a cada um. Todavia, diferente do girassol que segue o seu ciclo natural, a consciência pode mudar o quadro caótico em que está e reviver, basta querer buscar os cuidados do senhor. Revolver sua terra, limpa-la, irriga-la com as águas que caem do céu, adubá-la e cultivar a semente do espírito santo de Deus, voltando-se para sua luz que é constante e nunca cessa. Então, tornar-se-á um belo e esplendoroso girassol e sua colheita será certa!

Por Loir Xavier