Cada um de nós, consciências, temos nossas histórias! Desenvolvemos ao longo de nossas vivências, sentimentos por algo ou alguém, vivemos um conto aqui, outro acolá e vez em quando algo nos remete as lembranças, os pensamentos fluem e viajam em direção aos acontecimentos, haja visto que somos um chip onde arquivamos tudo. Porém há arquivos que devem ser destruídos, pois nos levam a nossa própria destruição. Sentimentos bons, mas que são maus porque nos fazem reviver coisas das quais temos que nos livrar, mas detectamos que ainda estão lá. Sentimentos nos remetem a pensamentos que são nocivos, pois nos induzem a carne e esta mata e destrói. Às vezes a consciência não se dá conta deles, mas estão lá e uma hora ou outra vem a tona. Cada consciência é única, singular e só o senhor para conhecê-la profundamente, intimamente ao ponto de nem ela própria ver-se tão nítida, a menos que o senhor mostre e para isso é priori a entrega irrestrita para que os sentimentos adormecidos sejam tomados pelos sentimentos produzidos pelo espírito da vida em cada um de nós, consciências.

Por Loir Xavier