Há pouco tempo atrás, se comparado com o tempo já vivido, deparava-me com tal olhar refletido no espelho de meu quarto. Nele me afundava, me afogava em meio a tantos anseios, tantos sofrimentos causados justamente pela expectativa da realização de meus desejos, todos carnais. Penso nos milhares, milhões, bilhões de olhares tristes que se cruzam, que se perdem, que não se buscam, tal qual eu refletia outrora.
Para todos esses, olhar no espelho é refletir lá no fundo todas as angústias, que são refutadas. Por isso o olhar é superficial, apenas para a contemplação da imagem refletida, em busca de melhorias para agradar alguém, em busca da satisfação nunca encontrada. Jesus disse: “E conhecereis a verdade e ela vos libertará!”. Certamente a verdade liberta, desde que a consciência queira ser liberta! Eu conheço a verdade e hoje já não vejo imagem alguma no espelho de meu quarto, por que hoje eu sou o próprio espelho, sou a consciência, é o que sou. Ah, o meu olhar? Já não é triste, mas resplandece a poderosa e libertadora luz do meu senhor!

Por Loir Xavier