Arrependei-vos!
Arrependimento em sua definição é conversão, mudança de atitudes, de comportamento, de temperamento… Enfim, arrependimento é a atitude verdadeira e contrária à aquela tomada anteriormente em determinada situação ou assunto específico. Embora em sua hermenêutica a palavra arrependimento é explicada de maneira clara e de fácil entendimento, o mesmo não se dá nas ações em que a mesma implica. É preciso antes de tudo que haja a compreensão exata do que se trata o arrependimento, pois apenas assim se dará em ações de conversão, de acordo com o real querer de cada consciência. Arrepender-se não se trata tão somente de um breve pedido de desculpas ou até mesmo de um sentimento de remorso pelo ato cometido, mas trata-se de algo externado e sentido de dentro para fora, como se vê em tudo onde se dá o toque do espírito santo de Deus. Sabemos que para toda e qualquer ação de uma consciência em torno de alguma realização, tanto no trato carnal quanto ao espiritual, esta tem que estar sentimentalmente envolvida, pois afinal é o sentimento que a impulsiona em direção de…e o arrependimento genuíno se dá ao fato de a consciência sentir e deparar-se com a verdade de Deus em Seu propósito.

Para tanto é necessário sobretudo o querer, a busca, o envolvimento com o senhor, o conhecimento e o entendimento do caminho, a conversão de seus caminhos maus em ações de metanoia, pois somente assim a árvore acostumada com seus frutos podres devido aos nutrientes mundanos e enganosos que tem sorvido, das águas sujas com as quais tem se regado e que retira sua vivacidade, poderá mudar seu quadro e alimentar-se dos nutrientes do céu, a irrigar-se com as águas limpas e vívidas advindas do Senhor, passará então a produzir frutos dignos, bons, saudáveis, os quais serão externados para fora em ações como comprovação de que ali houve o arrependimento. O arrependimento se dá na consciência, pois é também nela a operação realizada de mudança a partir deste e de onde brotarão e crescerão seus frutos. Arrependei-vos! Pois “se vos não arrependerdes, todos de igual modo perecereis!”

Por Loir Xavier