Portas abertas!
Venha, convido-lhe a entrar e vasculhar todos os cantos de minha casa!
Qual a minha preocupação? Desatar meus nós e prosseguir para o alvo: Cristo!
Creio que devo explicar que o termo preocupação é aquilo que ocupa os pensamentos e no caso da vida espiritual não deve ser encarado como um problema, mas um fim e um começo!
Confesso e nada escondo de que já tive muitas preocupações carnais…fortes, intensas, sufocantes. Minha base era areia pura, movediça e todo dia afundava-me no enorme lamaçal! Boletos, filhos, marido, pai, neto, irmãos, memórias…família…família ê…família à…famíliaaaa!
Venha cá! Tome um assento e torne a vasculhar os cantos, vá à fundo, acredito que sentirás o cheiro de limpeza, aquele tão peculiar quando do barro sendo molhado, lavado… sim, ainda há pó, resquícios de anos, acumulado! Mas está sendo lavado!
Qual é a minha preocupação? Bem, a minha consciência! Soou egoísta??? Com certeza sim, haja visto tantas e tantas consciências pelo mundo afora, perdidas. Mas o que poderei fazer por elas se nada fizer pela minha? Nada, absolutamente nada! Afinal, sem buscar a minha redenção, como poderei lhes dar a mão?
Qual é a minha preocupação? Ter a vida e digo não só no sentido de existir, mas de sê-la eternamente! Para tanto, necessário é que me desate de vez das ligações oriundas dos sentimentos. Não digo das aparentes, as quais constantemente são jogadas ao vento através de palavras, mas aquelas que só eu conheço e sei!
Qual é a minha preocupação?? Não ser hipócrita afirmando que os problemas corriqueiros da vida carnal não mais me atingem. Hoje já não sou dominada por eles, eu os domino e exerço a minha paz.
Qual é a minha preocupação? Completar juntamente com o meu Senhor, o espírito santo que habita em mim, a boa obra em minha consciência para que o mundo saiba quem é o Senhor!!

Por Loir Xavier