O Homem fundamenta suas relações na e pela existência à que está ligado. Como percebe, sente e vive pela carne, todos os sentimentos, que alicerçam tais relações, são obviamente carnais, assim como suas ações. Por isso, vemos relações totalmente deterioradas, tanto com o outro, como consigo mesmo. Dá relevada importância ao cotidiano maçante, de vivência sofrida, obstinado a ter bens que possam supostamente transformá-lo em alguém, com alguma significância e relevância, no meio em que vive. E os anos passam, as expectativas não se concretizam, as frustações aumentam e o vazio o consome. Vazio existencial, relativo com o não completar-se, pela busca constante em todos os cantos por algo que encontra-se nele próprio. E então, finda-se o labor desta vida e para a vida única e verdadeira não despertou…E o vazio continua, só que agora eterno!

Por Loir Xavier