Entendimento, compreensão, olhar, sentido, todas essas palavras tem por sinônimo a palavra visão. Percebe-se que, em geral, as consciências tem uma visão limitada, por aperceberem-se somente do que veem refletido no espelho, ou seja, seu corpo carnal, justamente por enxergarem somente suas vivências e esse mundo. Em âmbito geral buscam compreensão e entendimento para aquilo que lhes favorecerá, que lhes trará benefício, porém que não as desvie do caminho que traçaram para si e da já habitual e costumeira acomodação. Vivem o que veem e vice versa. Para uma mudança de visão, um olhar de lince é imprescindível o entendimento de que se está dentro de um propósito e que não é nesse mundo a vida plena, que aqui é somente uma estadia rumo ao infinito. Para tanto é imprescindível também nesta, renascer, sacudir o pó impregnado até que não se tenha resquícios e vestígios da poeira que turva os olhos. Não basta apenas entender, mas sentir o divinal em si, buscá-lo e ter a firme convicção de qual eternidade quer pra si, deixando-se ser guiado por sua visão do percurso a seguir, para atingir o eterno.

Por Loir Xavier