Poesia: “Campo Gravitacional”

Há dificuldade em enxergar
Aquilo que os olhos não veem
É bem possível transpassar
Pelo raciocínio ir além

O pó trouxe a limitação
Deteve a criatividade
Distanciou a imaginação
Mesmo que a tudo que se vê seja arte

Banalizou a obra
Ficou sem sentido a lógica
Percorrem o trajeto da órbita
Fechados em uma expectativa mórbida

Uma atmosfera interna
Sugando-a ao centro da sua própria terra
Uma consciência que reverbera
Onde o sentido a tudo espelha

Deveria sim espelhar
O plano superior
Ser terra santa, ser lar
Do lume do seu interior

Encontrou no interno
Seu campo gravitacional
Por vezes fez de seu estado o inferno
Derrubando seu emocional

Embora possa estar leve
Andando sobre as nuvens
Se perder seu domínio fica entregue
Adentrando o vácuo em negrume

Consciência tênue
Viaje sobre o espaço
A vida lhe é inerente
Quando à ela faz enlaço

Tens o poder
De levitar em seu universo
Basta reconhecer
Que está na vida todo o seu nexo

Desvencilhe do campo grilhão
Neste plano tão ínfimo
Liberte o seu coração
E voe ao infinito

Por Patricia C.