Dentro do infinito
Um surpreendente desígnio
A vontade do ser explícito
Engrenado em raciocínio

Foi assim que aconteceu
A luz vingou dentre o breu
Seu desejo fortaleceu
Foi assim que o dia amanheceu

No interior da expansão
Orbitais em ação
O verbo comandando a direção
Eram os acordes da sua canção

Dentro de uma galáxia
Sua voz ecoando serena
De forma singela e plácida
Arquitetava lindos planetas

Dentre eles a Terra
Na intenção de galgar novas terras
Mas o pó preencheu-se em quimeras
Desdenhando das coisas mais belas

Dentro do tempo
Perdido aqui dentro
Não buscou este tempo
E esvaneceu-se no vento

Invalidou-se
O fenecer lhe trouxe
Um tempo que talvez fosse doce
Correu sem sentido, e foice

Se foi, sim
Foi-se pra perto do fim
Olhares perdidos, enfim
O lume escondeu-se de ti

O tempo era suficiente
Para brotar sua semente
Dentro, internamente
Não quiseste voar livremente

Os ponteiros já não trabalham
A sua pilha acabou
Tempos que já cessaram
Só restam marcas da dor

Por Patricia Campos