Poesia: “Domínio”

Perdi meu sentido e o sentido
Por um terrível declínio
Fiquei fora do trilho
Vencida pelo inimigo

Senti-me em ruína
Quebra de uma obra prima
Areia que me alucina
Deixando-me meio vazia

Situação embaraçosa
É como o espinho da rosa
Um caminho sem volta
Traçou-se por minha porta

Também, deixei-a aberta
Não tapei minhas frestas
O mal encontrou uma brecha
E em meu peito acertou sua flecha

O domínio, ah o domínio
Seria o parceiro escolhido
A sua presença é brilho
Clareador de caminhos

Ele traz as rédeas nas mãos
E o bem leva ao coração
Ao longe vê a percepção
E o silêncio é broto em grão

O qual cresce no interno
Temperando o momento certo
Equaliza o que um dia foi berro
Transborda o que é sincero

Supremacia em direção
Alta dominação
Obediência tem por imposição
E com ela segue em ação

Poderio em controlar-se
Com as emoções fala alto
Totalmente perspicaz
Sagaz quando sobe ao palco

Olhar de lince
Tudo o que vê distingue
Sua preponderância incide
Naquele que não o resiste

Por Patricia C.