Não é uma questão de escolha
É sair da forca
Criar toda e qualquer força
Liberdade não é para quem sonha

A vida é real
É a vida real
O pó é mortal
Mas há em nós o imortal

Somos indestrutíveis
Sim nós somos, ó simplórias consciências
O único plano infalível
É sermos alma livro em transparência

Sermos lidos pelos olhos
E sentidos sem tocar
Ter o coração simplório
Não deixar a ilusão nos afogar

Esse mundo passa como a fumaça
E mesmo aqui ele é tão sem graça
As alacridades são disfarçadas
Tentando ocultar tal farça

É preciso desvencilhar-se
De tudo o que não é eterno
Então a liberdade tecerá nova fase
Metamorfoseando o interno

E então sentiremos na pele
O que passa a borboleta
Sua casca de pó repele
Transformação violenta

Dantes arrasta-se
Aquieta-se e então vira sopa
Inconsciente transforma-se
Ganha asas e a liberdade lhe toma

E é assim que é
E é assim que deve ser
É remar a favor da maré
Ou pela tolice perecer

É uma questão de independência ou morte
E a sabedoria nos aponta a liberdade
Ó alma faça-se forte
Use como espada a verdade

Vença teus gigantes
Os quais lhe prendem neste chão
Tu és alma diamante
Não deixe que nada enclausure o vosso humilde coração

Por Patricia C.