Poesia: “Minha inspiração mora comigo”

As palavras vividas, falam
E as que são sentidas, exalam
De forma sútil penetram
Como um toque desejado

Como fel
Desce amargo
Molham o papel
Dissolve laços

Tudo é necessário
E a forma que se vê
Difere-se o sábio
Um pingo é letra para quem sabe ler

Não trata-se apenas de união de letras
Por vezes são nossas próprias sentenças
Diante a atos e crenças
Talvez a falta dê, quiçá o amor prevaleça

Quando usamos de palavras
Tocamos almas
A verdade dói, mas abraça
São águas salgadas que lavam

Que arrastam a dor
Feito as folhas que caem no rio
Quando vê, cicatrizou
Preencheu todo o vazio

É dentro que está
A marquise, meu abrigo
Em pensamentos venho metaforar
Minha inspiração mora comigo

É lâmpada para os meus pés
Sua voz a sussurrar-me
No silêncio escuto as águas do igarapé
Agradavelmente adentrar-me

Luz forte que transpassa a visão humana
Raios que atravessam os corações
Na intenção de deixar as almas brandas
E desejarem espelhar imensidões

Rever seus conceitos
Andar ao lado direito
Fazer morada da paz em seu peito
E eterno ser seu sujeito

Por Patricia C.