Poesia: “No mundo da lua”

Amante da noite
Opaca em penumbra
Arrogância em pose
Vestida de lua

Implorastes ao sol
Um pouco de luminescência
Invejava o farol
Mas em si era só decadência

Fez a escolha errada
Não se empresta luz a ninguém
Seu brilho por todos transpassa
Só adentra naquele que atém

Que torna candeia
Onde o óleo escorre
Que é verdadeira
Naquilo que escolhe

E que sabe fazer a escolha certa
Admirador do dia
Esclarecedor de forma concreta
Que realiza-se infinda

Não vive no mundo da lua
Acorrentada pelo anoitecer
Com frio, com fome e nua
Sem esperança de amanhecer

Movimenta-se em torno de clarear-se
Alegra-se com uma faísca
Do pouco busca aumentar-se
Valoriza demais sua vida

Por ela faz-se lume
Reveste-se de estrela
Pela simplicidade assume
Que sem ela não há transparência

E é por isso que vejo um mundo
Cheio de luas minguantes
Perderam-se, estão confusos
Por suas estradas errantes

Quiçá pudesse entender
Que a luz mora em seu imo
Que ao invés de se esconder
Refletisse por ti este brilho

Então o véu rasgaria
E seus raios atingiriam imensidões
As escamas dos olhos cairiam
E em sóis tornariam os corações

Por Patricia C.