Pensou ser inteiro
Até que viu-se em pedaços
Despedaçou o interno
Saudade de um forte abraço

Daqueles bem apertados
O qual um dia fizeste descaso
Sentiu o gosto do fracasso
Fel e bile era doce perto do seu amargo

Lhe foi um pedaço bom
Por isto sentiu-se menos
Amar é mesmo um dom
E deixa tudo mais ameno

O problema é enganar-se
Julgando que no fim irá retomar-se
Para a morte não há disfarce
Há de fazer com eterno enlace

Pedaços ruins
Não sente-se a perda
Mesmo que faça parte de ti
É melhor que desapareça

Mesmo assim perdeu
Perdeu-se em seus sentimentos
Seu peito que corrompeu
E a dor do pesar sobre o leito

Um bom forasteiro aprende a perder
Pois nada daqui ele tem
É preciso perder para ter
E encontrar-se na estrada do além

Além do que estes meros olhos mortais possam ver
A tempo de não se perder
Mas antes há de ter de manter-se
E assim conseguirás vencer

Perdas e histórias
Marcadas em sua memória
Algumas esquecidas outras de glórias
Todas vividas e nenhuma sobra

Um dia tu serás a perda de alguém
É não há como reverter
Seja um pedaço do bem
Metamorfoseia seu ser

Por Patricia Campos