Em uma visão noturna
Encontrei-me em frente ao mar
Uma sensação única
O céu estava a falar

De forma poética
Convidou-me a entrar
Eu um tanto quanto cética
De soslaio, à desconfiar

A linguagem celeste é singular
Milhares de palavras mudas
É preciso de fato amar
Até descobrir maravilhas ocultas

Que brotam no imo
Escondido de olhares vagos
São flores do paraíso
E o amor são suas marcas, seus rastros

Uma voz suave
Agradável desconhecido
Aprendi que nunca é tarde
Mas o querer é preciso

Então sussurrou
Em tom que desarmou-me
Pura e calma! Falou
E de águas tranquilas banhou-me

Parecia meio estranho
Mas não sabia que o céu queria falar-me
Verdadeiro caminho de encanto
Meu anjo está a guiar-me

Disse-me uma simples conselheira
Atente-se a esta visão
A alma que é verdadeira
Guardada fica em eternas mãos

Seja pura e calma
Esta é a palavra que lhe foi direcionada
Guarde-se no seio da palma
E assim serás encontrada

Sem crise
Com identidade
Aquele que persiste
Abre-se eterno à verdade

Aloja a paz em si
Tem propriedade em transparência
Alacridade sem fim
Pólen de amor em essência

Por Patricia C.