É tão bonito de se ver
O quão é puro o coração
A inocência faz renascer
A esperança de um mundo bom

Olhares puros
Que ensinam como dividir é dom
Onde o esconder atrás do muro
É apenas brincadeira em tom

Onde se conta até cem
E sai a procurar quem se ama
Pois o amor vai além
E a alegria emana

Não há individualismo
Muito menos subtração
Que dirá egocentrismo
A simplicidade é quem transborda o coração

Pés descalços
Calçados apenas com a humildade
Não há olhares falsos
E seus sorrisos demonstram o que é verdade

Incríveis gargalhadas
Tornam-se unificadas
Triste é ter que voltar para casa
E ao sonhar, sonham com a alvorada

Pureza de criança
Ensina a ter temperança
Denotam a esperança
E um dia são só lembranças

E de pensar
Que assim temo-nos que tornar
Alma pura a brincar
Sermos casas do anjo estelar

Não temeremos o retornar
Nem sonharemos com a alvorada
Ela será nosso eterno lugar
E nossa alma será encontrada

Por Patricia C.