Poesia: “Recuperação”

Queria ter o dom da cura
Para poder curar-me
Não serei achada nua
Quando este pó aquietar-se

Então luto
Enquanto não preencher-me de satisfação
Prefiro viver de luto
À que sofrer luto por uma condenação

Não me contento com pouco
Não é que eu não seja simples
Mas não quero meu imo louco
Antes desejo-o livre

Sem amarras
Sem ironia disfarçada
Ei de curar minha alma
E com a vida viverei abraçada

Sou estado
E o poder mora comigo
Não tem o porquê sentir-me culpado
Se ganhei de presente o paraíso

Só não o posso perder
Muito menos me perder
Vim aqui para vencer
E eternizar-me no ser

No eterno
Na cura do meu interno
Dissiparei meu inverno
Pela reação do verbo

Amar
Primeiro a mim mesma
Como poderei curar
Se doente estiver, indefesa?

Entrei em leito
Minha recuperação
Enquanto não trocar meu sujeito
Creio que não há salvação

Em coma não se levanta
É preciso vitaminar-se
Ó vida adentra-me por sonda
De gota em gota, põe meus olhos à pingar

Por Patricia C.