Dei-me o direito
De ser forte
Metamorfoseei por dentro
Não contei com a sorte

Diversas vezes caí
Sim perdi-me
E as mesmas vezes levantei
Mas só uma encontrei-me

E foi o suficiente
Para estabilizar-me
Há coisas que somente quem sente
Descreve-as com propriedade

Antes do verbo ser,
Estar…
Conjuga-se o querer
Na sequência o transformar

A capacidade aflora
Na força de quem sabe lutar
Que desde muito tempo, outrora
Sabe onde quer chegar

Sacode o pó
Ignora os calos
Que mesmo só
Fita o infinito em olhos claros

E segue
Como um guerreiro
Sente seu fardo leve
Aqui é um forasteiro

Ser capaz
Da sabedoria, voraz
Sela a paz
E a alma segue compraz

Sou capaz
Fiz-me assim
Fiz-me cais
Do mar que habita em mim

Patricia C.