Espreguiçou-se
Diante o clarão
Assim o amor expressou-se
Soladas em uma canção

Nota em sol
Cercada de rouxinol
No campo, o girassol
Contemplando a estrela sol

Inclinação natural
Um espelhar quase assimétrico
A beleza atraída é igual
Tons chocantes amarelos

Singelos
Formosura de muito esmero
Na matéria nada é eterno
A menos que acenda-se pelo eterno

Então tornar-se-á estrela
A começar pela centelha
Chama da sua lareira
Fulgor que em abraço, abrasa quem queira

Tece em brilho
No imo toca o sino
Torna sol, ilumina o caminho
E ao florescer segue em tino

Mas vejo os girassóis
Atraídos pelos anzóis
Rasgados pelos ceróis
Desfalecidos atroz

Esqueceu-se
Sim, deixou de olhar para o sol
Enfraqueceu-se
Veja o sol, ó girassol

Ele o faz levantar
Da sua rotina faz parte
Sussurra à chuva para banhar-te
Unidos, forma-se a arte

Um quadro pintado
Divinamente desenhado
Ele não tem pétalas, mas seu imo tem seu formato
E o verde da esperança lhe é inato

Basta olhá-lo
E contemplar seu dia lindo
O sol tem um sorriso largo
E é disso que eu preciso

Patricia C.