Neste mundo nascemos, crescemos e morremos, e conforme este crescimento moldamos quem somos, nossas personalidades, pois produzimos nossa consciência. Pegamos costumes e manias de pai, mãe, e de quem está a nossa volta, e muita gente desenvolve até cacoetes, que se faz sem perceber. Como ter tiques no corpo, ou até mesmo usar gírias no final da frase. Cada pessoa neste mundo vai construindo sua base, seu ponto de apoio, sua raiz e seus laços. Mas vejo que a base que constroem é em cima da areia, ou seja, suas estruturas são em cima do que é morto, que é esta carne, este pó, que um dia fenece. E é daí que se criam os cacoetes, suas manias carnais, uma natureza animal e não espiritual. Nossa parte no mundo hoje não é nada mais e nada menos do que cumprir com o propósito de Deus, mas e agora, qual o propósito Dele? Seu propósito é que as nossas consciências, que produzimos como criação, ande pelo espírito e não pela carne. Fácil, não? Mas por que hoje ninguém faz o que tem que ser feito? A mentira e a enganação a si mesmo são cacoetes. Quando você se acostuma a se manipular para enxergar que tudo está uma maravilha dentro de si mesmo, você cria um cacoete.

Nossos costumes meus irmãos, tem que ser no espírito, nossos passos têm que ser pelo resplendor da manhã, nossas almas têm que estar como os pássaros no céu, e nossa natureza tem que ser pela vida. A cobra que criamos dentro de nós não vai ser sútil conosco, ela volta e te amordaça por dentro. Assim como está escrito que não é para deixar nenhuma criança viva, senão, depois, ela volta e te derruba. A vida é assim, e o propósito de Deus também. Eu enxergo as coisas que acontecem, e já consigo saber o que é da carne e o que é do espírito, quando isto é claro dentro de si, tem que começar a luta, eliminar o que é do barro e absorver o que é da luz. É assim que se cumpre o propósito de Deus, dando a cara a tapa, deixando que falem e não se importar. A cura vem aos poucos, até se sentir completamente pela vida, há uma luta por detrás, mas esta luta precisa começar já, pois como dizem: é rápido, mas depois que começa.

Por Luíza Campos