O tom encarecido em canção
Como as plumagens em corpo celeste
Entoar de uma imensidão
Revestindo-se de alvura em veste

Nada tão claro como sua luz
Tão evidente como seu amor
Seu sentir vem e reluz
Sentimento de paz e não dor

Sobrevoa os céus
Transparece nas galáxias
Seu destrinchar em papel
O parecer aprofundar em sua sabedoria ainda está rasa

Senti seu toque em meu peito
Como bombas em minha vastidão
Palpita sem freio
Para, apenas quando ecoa as trombetas do coração

De fato sentir
Compreender é amar
De fato ouvir
E na eternidade vir ensinar

Tuas águas que invadem meu oceano
Como chuva serôdia
Não há data marcada, nem planos
É a pura sabedoria, sentir a vida

Cachoeira em meio a seca
O doce para todo fel
Encanta e antes que perceba
Está cantarolando os sons do céu

Sentir a vida de verdade
E agracia-la com suas ações
Honrá-la em meio tanta dor e falsidade
Fazendo-se único que não se afoga nos mares das ilusões

Por Luiza Campos