Sua fala esquiva das flechas
Seus passos correm para longe do perigo
Sua boca profetiza fala de poeta
Mas seu peito vive corrompido

Aonde está sua verdade?
Perdeu-a e foi para longe
Sua luta por dignidade
Desconhecida no horizonte

Subterfúgio de um réu
Um peito sem saída
Pediu misericórdia aos céus
Mas lá só entra a vida

Se perde em suas próprias palavras
Acredita em suas ilusões
A pena para sua alma
É desconhecida aos corações

O amargar de seu ser
Invadiu sua essência
Procura o amanhecer
E se encontra sem sapiência

A dor da mentira sucumbiu suas entranhas
Não há mais verdade em seu imo
Não se chega ao céu com façanhas
E nem engana seu destino

Usou de subterfúgio
E encontrou-se na miséria
Agora não há refúgio
Para suas densas trevas

Seu sorrir pode satisfazer ao seu próximo
Mas sua falsidade é vista aos olhos da luz
O que é ou deixa de ser próspero
Em sua presença reluz

Por Luiza Campos  🌻