Choveu em sua tez
Veio a mim como mar
A onda que se refez
Paz em meu lar

Brisa do amanhecer
Acaricia a alma nua
O sol de um novo ser
Transparece sob a lua

Espelhar em tom quente
Traz consigo a emoção
A euforia de estar contente
O entendimento da compreensão

Tua paz é como cachoeira
Sua fala é como o vento
Para você que me refaço por inteira
Sou as asas do tempo

Como o cantar dos passarinhos
És a luz dos vagalumes
Rastros de seu caminho
A essência do lume

A paz vem do céu
Em meio toda bonança
O segredo do véu
A hermenêutica da temperança

Sua beleza habita no sorriso da criança
Faz casa no brilho do olhar
É a própria esperança
É vida, está em todo lugar

Encontra-se em ternura
A leveza do peito ao relento
O céu deu a cura
O remédio de todo lamento

O peso se dá do pó
Veio dele e a ele voltará
Unifique-se e não se encontre só
Antes que tudo sumirá

A paz é uma construção
Que conforme o tempo é edificada
Tenha ela em sua imensidão
Que logo fará morada

Por Luiza Campos