Caminhando eu na estrada da vida, vi por mim mesma lances que me identifiquei e voltando um pouco lá atrás enxerguei velhos hábitos, pois sabendo eu do senhor dentro de mim não o procurava para me abrir com ele, contar do frio que às vezes sinto, contar das dores que aperta o meu peito, do ardor que queima o coração e dos meus sentimentos que me faz sorrir e também chorar. Não! Não buscava nos braços do senhor as respostas das perguntas que eu mesma fazia, pois mesmo sabendo que ele está aqui dentro de mim, me envolvia fora pelos sentimentos carnais com outras pessoas que nem ao menos sabem o motivo de minhas lágrimas, e hoje vi que meu vínculo é fora, e este hábito que criei de buscar em pessoas o ombro para chorar ou desabafar acaba aqui, pois tenho que criar este hábito de conversar com o meu senhor, porque está nele tudo o que preciso, como a força, o abrigo, o companheirismo, o colo e as respostas, foi isto que vi, que precisamos nos soltar dos velhos vínculos que criamos e passarmos a ter novos hábitos no senhor, criar laço de intimidade, uma relação verdadeira com afeição, carinho e amor, pois o meu senhor é o único que sabe o porque do meu chorar e do meu sorrir…os de fora não me entendem, pois quero ficar trancada no meu quarto raciocinando sobre as paisagens que o senhor está a me mostrar e com isto quero pinta-las com cores quentes da vida, entendendo-as, sentindo-as vibrar no meu peito e praticando-as em mim, porque é isto que Deus quer de minha alma, uma nova tela pintada com a vida, sem borrões…

Por Maria Lúcia