Em toda parte do mundo se ouve o agitar das águas, causada por uma grande confusão de palavras que são mal interpretadas, que fazem brotar em cada coração o engano, afastando assim a consciência de chegar a compreensão, e por isto a Terra está hoje como se vê, devastada, é uma imensa extensão de água que na real, são palavras, que não se devem beber por serem amargas, pois elas cozinham a consciência por dentro impedindo a verdade de florescer. Ao longo de muito tempo estas águas foram acumuladas, transformando-se em um mar sem vida, vermelho por natureza, salgado e insípida. Suas águas formaram também rios que circulam o externo da consciência e trazem uma enxurrada de palavras enganosas que desembocam no eterno mar triste do vazio, são águas oferecidas pelo cotidiano que nos parecia ser normal, de ter planos em uma vida incerta, sem se preocupar com a celestial. Mas hoje foi nos dado de uma botija, uma água pura e cristalina para nos reviver, colocando-nos em pé para enxergar o caminho da vida por onde corre um grande rio que nos leva de volta para o Éden, de onde a fonte da vida jorra sua água que banha o universo. E o despertar para esta compreensão muda todo o interno, pois a cada passo que damos dentro do propósito da vida, o coração se enche de felicidade, pois a caminhada agora é rumo a terra prometida onde o mar é de aguas doce e eterno.

Por Lauro Balbino