Nós sabemos que este mundo é o palco da realização do propósito de Deus, esta aqui é a arena da vida, é aqui que os peões têm que domar o animal, pois se não domar, o animal o joga no chão e pisa. Na lei diz que o teu rei virá montado num jumentinho, filho de uma jumenta. Nós sabemos que o rei é o espírito de Deus que já nos dá a vida e o animal somos nós na carne.

O filho de Deus veio a este mundo para se casar, como está escrito na lei: e viram os filhos de Deus que as filhas dos Homens eram formosas e tomaram cada um para si mulheres, as filhas dos Homens são as nossas consciências, são elas que devem fazer como Rebeca, que desceu do animal e se cobriu com o véu, que era o sinal do casamento no tempo antigo. Primeiro ela desceu do animal para depois se cobrir com o véu. Rebeca se casou com o filho da promessa de Deus, o herdeiro de todos os bens de Deus, o cidadão do céu, este é o casamento eterno que Deus disse: o que Deus uniu, o Homem não separa. É para estas bodas que Deus já preparou o céu para receber as nossas consciências pelo espírito. Este é o cenário aqui no mundo, viemos na carne para produzir a consciência, que é do interesse do propósito de Deus, é a consciência que vai se relacionar com o espírito de Deus eternamente, o espírito será o corpo eterno dela, mas tudo será preparado neste mundo, desde a produção da consciência, o amadurecimento dela, o conhecer o espírito de Deus, começar um relacionamento com ele, até o casamento eterno. Tudo já foi preparado por Deus para isto, este mundo é o palco onde se realizará tudo isso, até a ascensão do espírito com a consciência para o reino de Deus, e lá eles viverão eternamente juntos. O espírito será o corpo eterno da consciência e a consciência será aquela esposa que se diz na lei: os teus desejos serão para o teu marido e ele te dominará.

Imagine a consciência sentir os prazeres do espírito eternamente no reino de Deus, ele será o novo corpo dela, em um novo plano, que lugar deve ser este, onde o próprio Criador Deus mora nele? Imagine a sensação de prazer que as nossas consciências sentirão, será de perder os sentidos.

Por O teu espírito diz