Este termo pecado original é muito discutido nas religiões, pois uma ala diz que o sexo é o pecado original, mas necessário para a procriação, outra ala diz que o pecado original era simplesmente um fruto e que Deus queria provar a obediência de Adão, tem outra ala que diz que nós já nascemos debaixo do pecado, mas se observarmos bem a lei de Deus chegaremos a este pecado original. Como todos já sabem, nós somos criações e como criação produzimos a consciência da existência, só que, pelo fato de ter sido a carne que produziu a consciência, ela está ligada a carne como um fruto natural, mas Deus nos assentou a porção do seu espírito pela vida, e a lei de Deus diz que esta consciência deve andar pelo espírito e não pela carne, mas como todo fruto esta consciência é ligada a carne, como que por uma haste, e esta ligação vai até ao amadurecimento deste fruto, que é a consciência, e quando maduro este fruto deve ser colhido da carne para o proveito eterno do espírito. Mas como a lei de Deus é para as nossas consciências andarem pelo espírito e não pela carne, este período da consciência ser produzida até o seu amadurecimento, ela é ligada a carne, que é contra Deus, mas que é natural, por isso chamamos de pecado original.

Então, o pecado original, vai desde o momento que a carne produz a consciência até o seu amadurecimento, quando então este fruto deve ser colhido ou arrancado da carne para o proveito eterno do espírito de Deus. Por isso, Deus fez duas alianças com a consciência, uma da lei que é enquanto ela estiver ligada a carne, que ela é obrigada a cumprir a lei, mas quando ela chega em Cristo, que é no espírito, ou ainda quando ela se desliga da carne pelo espírito, a lei acaba, desde então, ela pode ser livre para viver pelo espírito como quiser. Paulo disse que todos os que são guiados pelo espírito de Deus, estes são os filhos de Deus, mas enquanto a nossa consciência estiver ligada a carne, ela é serva. Jesus disse assim a este respeito: o servo, que é a carne, não fica para sempre em casa, que é a consciência, mas o filho, que é o espírito, fica. Sê, pois, o espírito libertar a consciência da carne, verdadeiramente ela será livre.

O pecado original é necessário dentro do propósito de Deus, pois foi a carne que produziu a consciência e não tem como ela não estar ligada a carne até o seu amadurecimento, mas depois que a consciência chega ao pleno conhecimento do propósito de Deus, já não é mais pecado original, mas pecado digno de condenação. O pecado original não condena a consciência, mas como está escrito: depois que a consciência chega ao pleno conhecimento da verdade de Deus, não resta mais sacrifícios por estes pecados, mas sim, uma expectação de ardor de juízo que há devorar o adversário. Errar na ignorância é uma coisa, mas errar sabendo é outra, nós estamos dentro de um propósito e temos que entendê-lo e praticá-lo, pois não existe mais o pecado original depois que uma consciência é madura. Na lei está escrito: e todos serão ensinados por Deus. Se a tua consciência não conhece o propósito de Deus, é porque ela não busca a Deus com um coração puro, e se não busca a Deus com um coração puro, não serve para o proveito eterno do espírito e deixa de ser o pecado original para ser um pecado doloso.

Por O teu espírito diz