Quando uma consciência quer muito alguma coisa, ela vai atrás até conseguir, mas quando ela não quer, protela o máximo que pode. Quando falamos alguma coisa boa deste mundo, a consciência logo se prontifica a fazer, mas quando é para falarmos da razão da vida, todas tiram o corpo fora e vão embora. Tudo da carne tem que ser para ontem, mas do espírito, a consciência vai empurrando com a barriga, vai enrolando, vai prorrogando, vai adiando, vai procrastinando, vai retardando, vai atrasando, vai esticando, como estou fazendo aqui agora.

Nós estamos neste mundo por um propósito, estamos aqui exclusivamente por este propósito e não viemos aqui para outra coisa. Assim como o nosso sêmen que um dia foi produzido exclusivamente para adentrar o óvulo da nossa mãe, se gestar e nascer neste mundo como ser humano. Agora nós nascemos neste mundo como seres humanos exclusivamente para produzirmos a consciência, inseminar o espírito de Deus dentro dela, gesta-lo, até a estatura completa de Cristo, que é o ser espiritual, e por fim nascermos no plano do céu pelo espírito, e lá no céu sim, vamos nos tornar numa célula viva do corpo de Deus e viveremos eternamente. É no espírito que está a nossa vida plena e verdadeira e não na carne que é só um lance dentro do propósito da vida.

Estamos neste mundo só por conta disso, mas ao produzir a consciência, o ser humano se deparou com a sua vida temporária da carne e as consciências, de comum acordo, resolveram viver esta vida temporária da carne e se lançarem no vazio eterno depois que a carne morrer. Todas elas ignoraram o espírito de Deus, e não darão sequência a vida no plano do céu. Nem o próprio Criador Deus entendeu o que aconteceu, nem Ele conseguiu explicar esse disparate, onde a própria consciência se lança no vazio eterno, tendo a vida ao lado delas. Seria muito pior que pular um prédio alto de cabeça para baixo, pior que a pessoa chegar ao suicídio e jogar a vida fora. Quem explica isto?

Por O teu espírito diz