Páscoa

Como eu vejo tantas consciências presas ao engano comemorando a liberdade! O êxodo do povo hebreu comemorava a saída da escravidão do Egito. Se você é um escravo da vida deste mundo, como pode comemorar qualquer liberdade? O que se prega nas igrejas é o que Pedro disse: E assim como houve entre o povo, falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres que introduzirão heresias de perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções pelo que será blasfemado o caminho da verdade. E, por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas. Estes são fontes sem águas, nuvens levadas pelo vento, as quais as trevas eternas estão reservadas a eles.

Porque falando coisa mui arrogante de vaidades, engodam, com os desejos da carne, consciências insanas. Prometendo-lhes liberdades, sendo eles mesmos escravos do dinheiro, porque de quem alguém é vencido, se torna cativo de quem os venceu. O dinheiro é o senhor destes pastores malignos do diabo, e que liberdade eles tem para pregar? Vocês estão comemorando a liberdade do povo hebreu ou estão comemorando as suas misérias hoje? É esta liberdade que se comemora hoje nas igrejas, tem que pagar dez por cento da sua renda ao pastor, fora as ofertas voluntárias, programas que envolvem dinheiro, comprar produtos que vendem nas igrejas, como cd’s, livros, pacotes de viagens, sustentando assim o pastor na sua ganancia. Por acaso esta é a liberdade dos filhos de Deus? É esta liberdade que os estelionatários do diabo pregam.

Meus queridos, Deus não cobra por benção, a salvação de Deus não está ligado ao dinheiro, vocês estão sendo explorados em suas igrejas, e dizem comemorar liberdade? Que liberdade vocês veem entre Deus e o dinheiro? Todos os padres e pastores pregam por salários e não por amor a Deus. O propósito de Deus não está ligado em caridade, mas trata-se em nascer de novo para o espírito. Quem de vós conhece as leis de Deus e o princípio para se nascer no espírito? Em qual igreja já pregou as três peças que compõe a razão da vida? Em qual igreja vocês já ouviram falar das três fases da vida? Esta é a verdadeira pascoa dos filhos de Deus.

Batismo

Vamos falar do batismo, que é um ritual que se fazem nas igrejas e que não é de valor algum senão tivermos o conhecimento da sua essência. A água, por exemplo, simboliza a palavra de Deus, a imersão simboliza a morte carnal, e a emersão simboliza o nascer de novo, isto é, morre-se pela palavra, e ressuscita também pela palavra, ou ainda, morre-se para a carne e ressuscita-se para o espírito. Mas o ritual do batismo, que se fazem nas igrejas, em si mesmo, não produz nenhum efeito pratico. Na igreja católica fizeram pior ainda, confundiram o batismo com a circuncisão. A circuncisão, meus queridos, era um sinal que os judeus faziam no prepúcio de seus filhos, que os pais se obrigavam a ensinar e a conduzir o filho na lei de Moisés, e não tem nada a ver com o batismo, que se trata de uma transformação própria dentro da consciência. Como que uma criança recém-nascida, que não tem consciência, pode se transformar?

O batismo, ou a transformação, se faz dentro da consciência, e uma criança recém-nascida não tem consciência, e ela vai se transformar do que? Pior, a palavra batismo é derivada da palavra imersão, e a igreja católica só joga um pouco de água na cabeça da criança, dizendo que está lavando-a do pecado original, chamando a coabitação de pecado original. Como que Deus criaria um processo de procriação, que ele mesmo elaborou, e isto seria pecado original? O pecado original não está na coabitação, mas sim no fruto que a Eva e o Adão comeram, o fruto proibido não é a coabitação, e sim a consciência que o ser humano come pela carne. E os seres humanos comem este fruto até hoje.

E ele é chamado de original, por se tratar de um fruto da carne, por ter sido o ser humano que o produziu, e este fruto está ligado à carne, como um fruto natural que está ligado ao seu pé. Este é o pecado original, e o batismo simboliza justamente esta ligação que a consciência tem com o pé da carne, no que devemos arrancar este fruto do pé da carne e liga-lo no espírito que Deus nos assentou, pois se ficarmos presos à carne, uma hora o espírito de Deus voltará a Deus e a consciência cairá no vazio eterno. Por isso a importância do batismo na sua essência, e não naquela água suja que os pastores dão banho em seus fieis.