Todos nós sabemos que a lua não tem luz própria, e que a luz que vemos nela é o reflexo do sol. Por isso a lua é opaca e deixa a noite tenebrosa, sem brilho. A lua é qual a Terra que também não tem luz própria, e que reflete a luz do sol. Mas o sol é uma estrela, tem luz própria, e brilha com toda a sua intensidade, e na presença da luz do sol todas as coisas se manifestam e se mostram como elas são. Nada foge do clarão da luz do sol, mas a noite todas as coisas são indefinidas, incertas, que não se podem explicar.
Dentro de nós há duas existências, uma porção da matéria com características provisórias e outra porção da vida com características eternas. A nossa carne não tem vida própria, mas a vida é própria do espírito. Assim como a lua, a carne não tem luz própria, pois a vida que ela tem é o reflexo do espírito, por isso quando a porção da vida volta ao seu todo, a matéria volta ao pó, pois perde a vida e apaga-se a luz.

A consciência que está ligada a carne, também não tem brilho próprio, mas é opaca e não vê com nitidez as coisas pelo entendimento, mas a consciência ligada ao espírito brilha como a luz do sol e vê todas as coisas como realmente são por ela mesma. A nossa consciência é como um espelho que reflete tudo que se põe a frente dela, tanto visto pelos olhos carnais, como pelo entendimento através do olho do raciocínio. A consciência é muito complexa, ela é um estado e por suas reações podemos ver claramente a existência que se manifesta por ela, até mesmo pelos seus frutos, que são os seus próprios sentimentos. Sendo assim podemos e devemos analisar nossas próprias consciências, nos conhecer de verdade e começarmos a trabalhar nossa consciência no sentido de nos desligar da existência provisória e nos ligar na existência eterna, para que os nossos frutos sejam de sabedoria, compreensão, paz, domínio próprio, mansidão e que a nossa luz seja própria e também possamos iluminar todos a nossa volta.

Por Michele Mi